quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Via-reta


Eu Via reta
na direção dela
Veloz como
uma tartaruga

Eu Via reta
na direção dela
Como um monge

Nela
Eu via reta
Embasado da tristeza
E da tal certeza de mantos e mantos
Da solidão do Espaço

Eu Via reta
consumindo o
amor-das-coisas-todas-naturais
que só me chamam
pra ser Via reta.

Mas eu querendo te alcançar
E te consumir
Lúcido e entorpecido.

Nenhum comentário:

Postar um comentário