quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Distendido por entender ou Sou Humano Racional

Entendi que não vale a pena
Nossas Almas de qualquer tamanho
são pequenas.
Não vale:
a pena,
a caneta,
as teclas,
as cordas,
os dedos,
os neurônios,
o Outro,
o outro-Outro,
o náufrago,
a náusea,
a desistência,
a inoperância,
a máquina,
a distância,
a lógica,
o se,
o sono,
o silêncio,
a vadiagem,
a cidadania,
a anarquia,
e outras filosofias,
o próximo dia,
e o claro ou escuro...

Não valem apenas,
diante dum Grande Segredo
que não Existe
para nós facilmente entendermos


obs: Entendi não entender, Segredos não-Segredos que fugiriam a esta simbolização( de segredo, de mistério, de código, de comunicação humana) para serem realmente grandiosos.
Corpos completamente dissolvidos:
O Nada Infinito e Dilacerante:
Nós inexistindo, indo, indo...

3 comentários:

  1. ou seja nada vale a pena. Então se nada vale a pena por que respirar e mentir...
    e comer e se iludir com o ano-vidouro?

    ResponderExcluir
  2. Hã já sei por que ainda temos a ínfima esperança de que algo seja ainda bom!

    ResponderExcluir
  3. lendo esta poesia ou protesto da alma transeunte, lembrei que eu também entendi que não valia a pena construir coisas materiais aqui no mundo, pois essas coisas se perdem, acabam. eu entendi que tudo de bom que há no mundo, na verdade não é concreto. eu não posso catar as coisas boas do mundo e colocar num saco. pois só posso guarda-las num lugar... um lugar que não cabe nada mais alem do amor.

    ResponderExcluir