segunda-feira, 15 de novembro de 2010

A uma Estatística (um conhecido de brincadeiras de infância)

                                                ...Do Pó ao Pó
                                               À Reciclagem
                                                               À Transformação
                                                               Ao Ciclo...

 Tua alma não será julgada!
Nosso acaso perante os fatos
Penitenciará o cotidiano
E tudo ficara Arado
Para o teu corpo-fertilizante

Da força que ouve nas tuas mãos
Para planejar o fim,
Da Coragem de não olhar para trás
E Pular amarrado a decisão,
Sobrara apenas a Síntese da vida:
Braços tortos
E cabeça roxa

Talvez não te tenha faltado o Ar...
E sim tenha havido excesso dele
E esse excesso
Viera em violência
Atropelando
O sonho da Felicidade
Expondo doses fortes
Demais
De Realidade
Quando
Se estava fraco
Demais
Para
Ser Humano

Mas Tudo ficará bem,
Jovem suicida
Jovem das lágrimas
E do fio de sangue
Na boca


                                                               "fatos valiam muito
                                                              agora não valem mais
                                                                    fatos agora
                                                                  são tão banais"

Nenhum comentário:

Postar um comentário