terça-feira, 12 de outubro de 2010

Olhares que se Querem Nus (à Infante uma Dedicação)


A Infante
rejeita toda esta Distorção
A massa sonora muito significativa para o mundo caótico
A Infante só quer brincar
Soltar frases desconexas comunicando a inocência
A Infante quer ser Infante
sem datas
Sem a responsabilidade de entender o Sofrimento

A Infante que acorda e vê estes dias sem cores
Vira-lhe as costas,
e vai abraçar os seus Amores:
Mães, Pais, Avôs, Avós, Irmãs, Irmãos,
Humanos de criação
(E se não os têm?)

Em linhas Gerais:

À Infante que inventa
novas forças de resistência apenas rindo sozinha
À Infante que fala a milhares de Imaginários Seres,
e crê porque de fato eles existem
À Infante imune a exposição dela mesma
em vitrines infindas
À Infante ansiosa pela brincadeira
rica de liberdade
À Infante que quando cai
quer alguém para lhe afagar as lágrimas
À Infante
que não resiste se têm fome
À Infante
que se comunica com os Animais
À Infante
que não têm Portas Celestes a sua frente,
que Tudo é aberto para ela

À esta Infante que Espera do Mundo
Mais Esperança e da Esperança
Mais Infância
Dedico a nossa promessa de Regresso

Obs: Em algum lugar, dos mais miseráveis, uma criança chora
fora do tempo de chorar
(eu pergunto aos nós em nós:Porque?)

Um comentário: