domingo, 3 de outubro de 2010

Câncer de pele dá alma (sobre um sol negro, não-metafísico)

A Dor se mostra
no escrever como Português
Que Português que sou
É no falar em Português
Que é em português que falo
Escrevo e Falo
nas
Identidades
E me crescem pêlos(poros)
no rosto
E eu (as) corto e (as) avivo.

Das identidades já me afasto um pouco
Desta cultura de estar sempre disperso
Pensar em mares navegados
Já pensados

E toda uma terra estendida
se rende,
se ergue,
Se Cria,
mente o Mito de Origem da nossa glória
Será que suo esta carga da Herança Conquistadora?
Ou Será que suo este Fracasso?
Porque olho a pessoa dita menos compreendida
E ela não cavou em si
Poços Profundos
Mas vive feliz
Mastiga-se e vive

Diga-se:
O Amanhã é Anacrônico!
E Vejam que futuro bom
meus irmãos insaciáveis!


Haverá melhor novidade
Que saber que toda novidade
É a banda de apoio de uma marcha
Passando o tempo?

Vou me investigar porque sei de algum Delito escondido
Finjam não ouvirem que é o não-delito
Que é o não-pecado,
que é este convencionalismo gordurento

Por um momento,
que não existe,
tudo muda,
Tudo cala,
um controle universal se ativa
E a linguagem do silêncio se instala
Desses segundos-quase
se abre a possibilidade
De uma compreensão maior

Por um momento
Queima na pele Apolo
Maior que o sentido
E Abre a mente

Hoje não observo marcas
Só cascas consequênciais,
Mas existe afetação mais densa
Será a glória da Conquista?
A Herança?

Transpiro o câncer do futuro
e sorrio nas fotos
Transpiro o câncer do futuro
E sou um templo impaciente
Transpiro o câncer do futuro
E no agora epidérmico tudo está intacto!

É porque dói demais
morrer queimado
vez por vez
E no tempo das sombras que seguem
Onde se vá
sabe-se haver excesso
De luz
e não
de escuridão

                     
               (O sol
                sempre
                se põe
                aos luso-brasileiros
                como quem
                não gozou
                o prazer
                intenso
                da evaporação
                total
                das certezas)

Nenhum comentário:

Postar um comentário